quinta-feira, 26 de maio de 2016

Perfumes através dos tempos

.

Olá gente hoje resolvi contar um pouquinho da História dos perfumes tão amados do nosso dia a dia , a arte de criar e usar perfumes se originou No Egito por volta de 2000 a.C., Árvores como cedro e pinheiro eram queimadas com a finalidade de seu odor agradar aos deuses. Sândalo, canela, mirra, raízes e cascas de outras ervas eram utilizados em rituais sagrados. É da prática dessa queima que vem o nome perfume: do latim Per fumus, ‘pela fumaça’.
A ligação do perfume com o divino estendeu-se por séculos. No Egito Antigo, aproximadamente no ano de 3.200 a.C., efetiva-se a arte de elaborar perfumes. Os antigos egípcios acreditavam que suas preces chegariam mais rápido aos deuses através da nuvem de fumaça aromática que ascendia aos céus. Além disso, os aromas também acompanhavam o rito de passagem de morte, o corpo do morto devia ser conservado tão inalterado e perfumado quanto possível para o encontro com os deuses. Os óleos essenciais eram sempre utilizados no ritual de mumificação, devido as propriedades anti-microbianas, presentes nas essências de mirra, musgo de carvalho, resina de pinho.
Ainda nesse período, o perfume começa a se ligar a questões que não eram apenas da ordem religiosa, mas também terapêuticas e de higiene.

 Cleópatra, a última rainha do Egito, transcendeu as funções do perfume, conferindo-lhe o grau de elemento sedutor. Conta-se que Cleópatra untava-se com essências aromáticas dos pés à cabeça, criava em torno de si uma aura perfumada e recebia Marco Antônio em uma cama repleta de pétalas de rosas.
os primeiros clientes foram os faraós e os membros importantes da corte, logo, o uso do perfume se difundiu, trazendo um agradável toque de frescor ao clima quente e árido do Egito.
O químico árabe, Al-Kindi (Alkindus), escreveu no século IX um livro sobre perfumes chamado Livro da Química de Perfumes e Destilados. Ele continha centenas de receitas de óleos de fragrâncias, salves, águas aromáticas e substitutos ou imitações para droga caras. O livro também descrevia cento e sete métodos e receitas para a perfumaria, inclusive alguns dos instrumentos usados na produção de perfumes ainda levam nomes árabe, como alambique, por exemplo.
O médico e o químico persas Muslim e Avicenna (também conhecido como Ibn Sina) introduziram o processo de extração de óleos de flores através da destilação, o processo mais comumente utilizado hoje em dia. Seus primeiros experimentos foram com as rosas. Até eles descobrirem perfumes líquidos, feitos de mistura de óleo e ervas ou pétalas amassadas que resultavam numa mistura forte. A água de rosas era mais delicada, e logo tornou-se popular. Ambos os ingredientes experimentais e a tecnologia da destilação influenciaram a perfumaria ocidental e desenvolvimentos científicos, principalmente na química.
 Foi na França, a partir do século XIV, onde se cultivavam flores, que ocorreu o grande desenvolvimento da perfumaria, permanecendo desde então como o centro europeu de pesquisas e comércio de perfumes. O gosto europeu pelo perfume é inegável durante a Idade Média e o Renascimento onde, para além de ser utilizado em inúmeros tratamentos terapêuticos e medicinais (sem esquecer a utilização de alecrim nas fumigações contra a peste!), o perfume ganha um novo estatuto ao ser aplicado em colarinhos perfumados,luvas perfumadas, rosários e “almofadas” aromáticas, estas últimas para trazer ao pescoço ou em forma de pulseira. A famosa “água de Hungria” – talvez o primeiro perfume pessoal – concebido em 1370 à base de rosa, hortelã, erva-cidreira, limão, alecrim e flor de laranjeira, liderou o mercado da perfumaria durante vários séculos. É assim foi crescendo o gosto e o uso pelos amados PERFUMES.

Com o passar dos anos a cada dia com a técnica chamada de Enflourage "consiste em usar uma espécie de solvente vegetal para segurar o óleo. No caso de flores frescas, por exemplo, as pétalas são colocadas sobre uma placa de vidro ou couro  com gordura, que vai absorver o óleo das flores, que são substituídas por flores novas todos os dias, até que a concentração certa seja obtida" , vem se "capturando" várias Fragrancias para criação de novos perfumes . Para climas muito frios era usado Fragrancias mais fortes e densas para dar a sensação de calor , frescor e banho tomado já que o banho naquela época devido ao frio era raro , já ao contrario em países quentes eram usados Fragrancias mais refrescantes para a sensação de calor diminuir e prolongar o prazer do banho tomado . Então nos dias de hoje o que vai fazer você saber se um perfume é "forte" ou "fraco" é apenas seu gosto e seu senso de uso pois como estamos em um clima tropical,  perfumes mais leves e confortáveis são os ideais para o dia a dia , não que não se possa usar um perfume "bomba", (como chamamos os perfumes mais fortes ) para dias frios e eventos noturnos em minha opinião caem muito bem .
E assim diferencio um perfume "IMPORTADO" do "NACIONAL" cada um foi criado para um determinado clima ou situação de seu país de origem .
E antes de falarmos que um perfumes é "fraco ou forte" , devemos analisar que os mesmos foram criados para agradar a várias pessoas por um único motivo o CLIMA e não você .
E os tão falados perfumes contratipos ou inspirações  no momento vão ficar para outro post , pois é um assunto longo e como diz o ditado , nesta vida nada se cria , tudo se copia devemos analisar antes de criticar pois os mesmos muitas vezes nos ajudam nas escolhas dos perfumes "originais " como alguns preferem chamar,  na hora de adquiri los e existem várias marcar consagradas que se inspiram nas marcas renomadas , transferindo os mesmos para o nosso clima .  
Até o próximo post .
 *fonte de pesquisa , livros e internet.